Fado Tradicional

2010 · Parlophone Music Portugal

2010 seria o ano de um projecto muito especial, o álbum Fado Tradicional, no qual Mariza reafirmaria a sua ligação à tradição mais autêntica do Fado clássico regressando a alguns dos mais destacados compositores da história do género, como Alfredo Marceneiro, ainda que com uma abordagem interpretativa assumidamente individual e contemporânea. Nesse mesmo ano seria condecorada pelo Governo francês com o grau de Cavaleiro da Ordem das Artes e Letras.

  • 1.
    Fado Vianinha
    2:31
    Letras

    Fado Vianinha

    (Francisco Viana)

    Devagar se vai ao longe
    E eu bem vou devagarinho,
    Vamos ver se me não perco
    Nos atalhos do caminho.

    Meu amor não tenhas pressa
    Porque não hás-de esperar,
    Tudo aquilo que começa
    Tarde ou cedo há-de acabar.

    Tudo mudou entretanto,
    Vê lá que pouco juízo,
    Rio a pensar no teu pranto
    Choro a pensar no teu riso.

    Dá-me os teus olhos profundos
    E o mundo pode acabar,
    Que importa o mundo se há mundos
    Lá dentro do teu olhar.

  • 1. Fado Vianinha

    Letras

  • 2.
    Promete, Jura - Fado Sérgio
    3:53
    Letras

    Promete, Jura - Fado Sérgio

    (Maria João Dâmaso / Sérgio Dâmaso)

    Estás a pensar em mim, promete, jura
    Se sentes como eu o vento a soluçar
    As verdades mais certas mais impuras
    Que as nossas bocas têm p’ra contar

    Se sentes lá fora a chuva estremecida
    Como o desenlaçar duma aventura
    Que pode ou não ficar por toda a vida
    Diz que sentes como eu, promete, jura

    Se sentes este fogo que te queima
    Se sentes o meu corpo em tempestade
    Luta por mim amor, arrisca, teima
    Abraça este desejo que me invade

    Se sentes meu amor, o que eu não disse
    Além de tudo o mais do que disseste
    É que não houve verso que eu sentisse
    Aquilo que eu te dei e tu me deste

  • 2. Promete, Jura - Fado Sérgio

    Letras

  • 3.
    As Meninas Dos Meus Olhos - Fado Alfacinha
    2:34
    Letras

    As Meninas Dos Meus Olhos - Fado Alfacinha

    (Fernando Pinto Ribeiro / Jaime Santos)

    As meninas dos meus olhos
    Nunca mais tive mão nelas
    Fugiram para os teus olhos,
    Por favor deixa-me vê-las.

    As meninas dos meus olhos
    Se vão perder-se não sei
    Deixa-me ver se os teus olhos
    As tratam e guardam bem.

    As meninas dos meus olhos
    Para poder encontrá-las
    Foram pedir aos teus olhos
    Que falem quando te calas.

    As meninas dos meus olhos
    Já não sei aonde estão
    Deixa-me ver nos teus olhos
    Se as guardas no coração.

  • 3. As Meninas Dos Meus Olhos - Fado Alfacinha

    Letras

  • 4.
    Mais Uma Lua - Fado Varela
    3:37
    Letras

    Mais Uma Lua - Fado Varela

    (Diogo Clemente / Reinaldo Varela)

    Aqui, perto de nós, de mim ausente
    A força do que fomos e de ser tua
    Aqui adormeci, pesadamente,
    Caiu dentro de mim mais uma lua.

    E foram, como sempre, as minhas penas
    Ou foi a solidão de quem se prende
    A querer saber de nós,horas amenas
    E tudo o que a minh’alma não entende.

    E aqui o que foi nosso vai morrendo.
    De amor falam as dores da beira fim.
    Desculpa, meu amor, se te não prendo
    Mas vivo muito bem dentro de mim.

  • 4. Mais Uma Lua - Fado Varela

    Letras

  • 5.
    Dona Rosa - Fado Bailarico
    2:15
    Letras

    Dona Rosa - Fado Bailarico

    (Fernando Pessoa / Alfredo Marceneiro)

    Dona rosa, dona rosa
    Quando eras ainda, botão
    Disseram-te alguma coisa,
    De a flor não ter coração

    A rosa que não se colhe,
    Nem por isso tem mais vida
    Ninguém há que te não olhe,
    Que te não queira colhida

    Quem te fez assim tão linda,
    Não o fez para mostrar
    Que se é mais linda ainda,
    Quando se sabe negar

    Dona rosa, dona rosa,
    De que roseira é que vem?
    Que não tem senão espinhos,
    Para quem só lhe quer bem

    Dona rosa, dona rosa,
    De que roseira é que vem?

  • 5. Dona Rosa - Fado Bailarico

    Letras

  • 6.
    Ai Esta Pena De Mim - Fado Zé António
    2:33
    Letras

    Ai Esta Pena De Mim - Fado Zé António

    (Amália Rodrigues / José António Guimarães Serôdio)

    Ai esta angústia sem fim
    Ai este meu coração
    Ai esta pena de mim
    Ai a minha solidão

    Ai minha infância dorida
    Ai o meu bem que não foi
    Ai minha vida perdida
    Ai lucidez que me dói

    Ai esta grande ansiedade
    Ai este não ter sossego
    Ai passado sem saudade
    Ai minha falta de apego

    Ai de mim que vou vivendo
    Em meu grande desespero
    Ai tudo o que não entendo
    Ai o que entendo e não quero

  • 6. Ai Esta Pena De Mim - Fado Zé António

    Letras

  • 7.
    Na Rua Do Silêncio - Fado Alexandrino
    2:48
    Letras

    Na Rua Do Silêncio - Fado Alexandrino

    (António Sousa Freitas / Joaquim Campos)

    Na rua do silêncio
    É tudo mais ausente,
    Até foge o luar
    E até a vida é pranto.
    Não há juras de amor,
    Não há quem nos lamente
    E o sol quando lá vai
    É p’ra deitar quebranto

    Na rua do silêncio
    O fado é mais sombrio
    E as sombras duma flor
    Não cabem lá também
    A rua tem destino
    E o seu destino frio
    Não tem sentido algum
    Não passa lá ninguém.

    Na rua do silêncio
    As portas estão fechadas
    E até o sonho cai,
    Sem fé e sem ternura.
    Na rua do silêncio
    Há lágrimas cansadas,
    Na rua do silêncio
    É sempre noite escura.

  • 7. Na Rua Do Silêncio - Fado Alexandrino

    Letras

  • 8.
    Rosa Da Madragoa - Fado Seixal
    1:54
    Letras

    Rosa Da Madragoa - Fado Seixal

    (Frederico de Brito / José Duarte)

    A rosa da Madragoa
    Enche a canastra na praça
    Vem para a rua, apregoa
    E acorda meia Lisboa
    Que sorri quando ela passa

    Sobe as escadas divertida
    Numa alegria que alastra
    Baila-lhe a saia garrida
    Não lhe pesa a cruz da vida
    Pesa-lhe mais a canastra

    Se pela sombra das esquinas
    A sua voz atordoa
    Sabem as outras varinas
    Quando passa pelas trinas
    A rosa da Madragoa

  • 8. Rosa Da Madragoa - Fado Seixal

    Letras

  • 9.
    Boa Noite Solidão - Fado Carlos Da Maia
    3:45
    Letras

    Boa Noite Solidão - Fado Carlos Da Maia

    (Jorge Fernando)

    Boa noite, solidão
    Vi entrar pela janela
    O teu corpo de negrura
    Quero dar-te a minha mão
    Como a chama duma vela
    Dá a mão à noite escura.

    Os teus dedos, solidão,
    Despenteiam a saudade
    Que ficou no lugar dela,
    Espalhas saudades pelo chão
    E contra a minha vontade
    Lembras-me a vida com ela.

    Só tu sabes, solidão,
    A angústia que traz a dor
    Quando o amor a gente nega.
    Como quem perde a razão,
    Afogamos nosso amor
    No orgulho que nos cega.

    Com o coração na mão
    Vou pedir-te, sem fingir
    Que não me fales mais dela.
    Boa noite, solidão,
    Agora quero dormir
    Porque vou sonhar com ela.

  • 9. Boa Noite Solidão - Fado Carlos Da Maia

    Letras

  • 10.
    Desalma - Fado Alberto
    2:30
    Letras

    Desalma - Fado Alberto

    (Diogo Clemente / Miguel Ramos)

    Perdi hoje a minha alma às tuas mãos,
    Soubesse eu dar-lhe amor
    Como te dera,
    Pudesse eu dar-lhe os beijos,
    Lábios sãos
    De quem beijou de amor e o soubera.

    Talvez não me fugisse de entre os dedos
    A alma, como um barco que se afasta
    Se à frágil condição de tantos medos
    Pudesse eu ter de ti o que me basta.

    E dado o barco ao mar que o soube ter,
    Por medos e cansaços
    Me perdera
    Eu espero a vida inteira por te ver
    E a vida que é só minha ainda me espera.

  • 10. Desalma - Fado Alberto

    Letras

  • 11.
    Meus Olhos Que Por Alguém - Fado Menor Do Porto
    2:53
    Letras

    Meus Olhos Que Por Alguém - Fado Menor Do Porto

    (António Botto / José Joaquim Cavalheiro Jr.)

    Meus olhos que por alguém
    Deram lágrimas sem fim
    Já não choram por ninguém
    Basta que chorem por mim

    Arrependidos e olhando
    A vida como ela é
    Meus olhos vão conquistando
    Mais fadiga e menos fé

    Sempre cheios de amargura
    Mas se a vida é mesmo assim
    Chorar alguém, que loucura
    Basta que chorem por mim

  • 11. Meus Olhos Que Por Alguém - Fado Menor Do Porto

    Letras

  • 12.
    Promete, Jura - Fado Sérgio
    3:53
    Letras

    Promete, Jura - Fado Sérgio

    (Maria João Dâmaso / Sérgio Dâmaso)

    Estás a pensar em mim, promete, jura
    Se sentes como eu o vento a soluçar
    As verdades mais certas mais impuras
    Que as nossas bocas têm p’ra contar

    Se sentes lá fora a chuva estremecida
    Como o desenlaçar duma aventura
    Que pode ou não ficar por toda a vida
    Diz que sentes como eu, promete, jura

    Se sentes este fogo que te queima
    Se sentes o meu corpo em tempestade
    Luta por mim amor, arrisca, teima
    Abraça este desejo que me invade

    Se sentes meu amor, o que eu não disse
    Além de tudo o mais do que disseste
    É que não houve verso que eu sentisse
    Aquilo que eu te dei e tu me deste

  • 12. Promete, Jura - Fado Sérgio

    Letras

  • 13.
    Olhos Da Cor Do Mar (Fado Amora)
    Letras

    Olhos Da Cor Do Mar (Fado Amora)

    (João Ferreira-Rosa e Óscar Alves / Joaquim Campos)

    Teus olhos verdes são mares
    Que a lua vem namorando
    São saudades,são cantares
    São olhos tristes chorando

    São as ondas pensamentos
    Que o teu olhar me deixou
    São estrelas mortas lamentos
    Que o teu mar despedaçou

    Meu barco quero levar
    Ao final do horizonte
    Ver teus olhos ao luar
    E neles morar de fronte

    Passa o vento nos escolhos
    Como o teu triste cantar
    No verde mar dos teus olhos
    Ando sempre a naufragar

  • 13. Olhos Da Cor Do Mar (Fado Amora)

    Letras

  • 14.
    Lavava No Rio, Lavava (Fado Lavava No Rio, Lavava)
    Letras

    Lavava No Rio, Lavava (Fado Lavava No Rio, Lavava)

    (Amália Rodrigues / Fontes Rocha)

    Lavava no rio, lavava
    Gelava-me o frio, gelava
    Quando ia ao rio lavar;
    Passava fome, passava
    Chorava, também chorava
    Ao ver minha mãe chorar

    Cantava, também cantava
    Sonhava, também sonhava
    E na minha fantasia
    Tais coisas fantasiava
    Que esquecia que chorava
    Que esquecia que sofria

    Já não vou ao rio lavar
    Mas continuo a sonhar
    Já não sonho o que sonhava
    Se já não lavo no rio
    Porque me gela este frio
    Mais do que então me gelava

    Ai minha mãe, minha mãe
    Que saudades desse bem
    E do mal que então conhecia
    Dessa fome que eu passava
    Do frio que me gelava
    E da minha fantasia

    Já não temos fome, mãe
    Mas já não temos também
    O desejo de a não ter
    Já não sabemos sonhar
    Já andamos a enganar
    O desejo de morrer

  • 14. Lavava No Rio, Lavava (Fado Lavava No Rio, Lavava)

    Letras

Ficha Técnica

Guitarra Portuguesa: Ângelo Freire
Viola de Fado: Diogo Clemente
Viola Baixo: José Marino de Freitas

Produção: Diogo Clemente

Gravado no lisboa estúdios entre Julho e Setembro de 2010 por: Luís Delgado e Diogo Clemente

Misturado por: Artur David, Diogo Clemente e João Pedro Ruela
Masterizado no Masterdisk Studios, NY, por: Andy Vandette

Produção Executiva: João Pedro Ruela, Paulo Miranda, Albert Nijmolen e Carmo Stichini

Artwork: Maria João Ribeiro, Bruno Serra - Bloodymary & Braun
Fotos por: Isabel Pinto

Tradução por: Jonathan Weightman
Na tradução dos poemas não houve pretensões literárias

Management e Agenciamento: Músicas do Mundo