Transparente

2005 · Warner Music Portugal

"Transparente" o terceiro disco de Mariza, em que presta homenagem a Amália Rodrigues e aos fadistas de renome Fernando Maurício ou Carlos do Carmo, logo atingiu a marca de dupla platina tendo entrado directamente para o primeiro  lugar da tabela nacional de vendas.

  • 1.
    Há Uma Música Do Povo
    3:10
    Letras

    Há Uma Música Do Povo

    (Fernando Pessoa / Mário Pacheco)

    Há uma música do povo
    Nem sei dizer se é um fado
    Que ouvindo-a há um ritmo novo
    No ser que tenho guardado...

    Ouvindo-a sou quem seria
    Se desejar fosse ser...
    É uma simples melodia
    Das que se aprendem a viver...

    Mas é tão consoladora
    A vaga e triste canção...
    Que a minha alma já não chora
    Nem eu tenho coração...

    Sou uma emoção estrangeira,
    Um erro de sonho ido...
    Canto de qualquer maneira
    E acabo com um sentido

  • 1. Há Uma Música Do Povo

    Letras

  • 2.
    Meu Fado Meu
    3:26
    Letras

    Meu Fado Meu

    (Paulo de Carvalho)

    A saudade andou comigo
    E através do som da minha voz
    No seu fado mais antigo
    Fez mil versos a falar de nós
    Troçou de mim à vontade
    Sem ouvir sequer os meus lamentos
    E por capricho ou maldade
    Correu comigo a cidade
    Até há poucos momentos

    Já me deixou
    Foi-se logo embora
    A saudade a quem chamei maldita
    Já nos meus olhos não chora
    Já nos meus sonhos não grita
    Já me deixou
    Foi-se logo embora
    Minha tristeza chegou ao fim
    Já me deixou mesmo agora
    Saíu pela porta fora
    Ao ver-te voltar p'ra mim

    Nem sempre a saudade é triste
    Nem sempre a saudade é pranto e dor
    Se em paga saudade existe
    A saudade não dói tanto amor
    Mas enquanto tu não vinhas
    Foi tão grande o sofrimento meu
    Pois não sabia que tinhas
    Em paga às saudades minhas
    Mais saudades do que eu

  • 2. Meu Fado Meu

    Letras

  • 3.
    Recusa
    2:16
    Letras

    Recusa

    [Mário Rainho/ José Magala (fado Magala)]

    Se ser fadista, é ser lua,
    É perder o sol de vista,
    Ser estátua que se insinua,
    Então, eu não sou fadista

    Se ser fadista é ser triste,
    É ser lágrima prevista,
    Se por mágoa o fado existe,
    Então, eu não sou fadista

    Se ser fadista é no fundo,
    Uma palavra trocista,
    Roçando as bocas do mundo,
    Então eu não sou fadista

    Mas se é partir à conquista
    De tanto verso ignorado
    Então eu não sou fadista
    Eu sou mesmo o próprio fado.

  • 3. Recusa

    Letras

  • 4.
    Quando Me Sinto Só
    2:57
    Letras

    Quando Me Sinto Só

    [Artur Ribeiro / Joaquim Campos (fado Alexandrino de Joaquim Campos)]

    Quando me sinto só,
    Como tu me deixaste,
    Mais só que um vagabundo
    Num banco de jardim
    É quando tenho dó,
    De mim e por contraste
    Eu tenho ódio ao mundo
    Que nos separa assim.

    Quando me sinto só
    Sabe-me a boca a fado
    Lamento de quem chora
    A sua triste mágoa
    Rastejando no pó
    Meu coração acnsado
    Lembra uma velha nora
    Morrendo à sede de água.

    P'ra que não façam pouco
    Procuro não gritar
    A quem pergunta minto
    Não quero que tenham dó
    Num egoísmo louco
    Eu chego a desejar
    Que sintas o que sinto
    Quando me sinto só.

  • 4. Quando Me Sinto Só

    Letras

  • 5.
    Montras
    3:34
    Letras

    Montras

    (Pedro Campos)

    Ando na berma
    Tropeço na confusão
    Desço a avenida
    E toda a cidade estende-me a mão
    Sigo na rua, a pé, e a gente passa
    Apressada, falando, o rio defronte
    Voam gaivotas no horizonte

    Só o teu amor é tão real
    Só o teu amor...

    São montras, ruas
    E o trânsito
    Não pára ao sinal
    São mil pessoas
    Atravessando na vida real
    Os desenganos, emigrantes, ciganos
    Um dia normal,
    Como a brisa que sopra o rio
    Ao fim da tarde
    Em Lisboa afinal

    Só o teu amor é tão real
    Só o teu amor...

    Gente que passa
    A quem se rouba o sossego
    Gente que engrossa
    As filas do desemprego,
    São vendedores, polícias, bancas, jornais
    Como os barcos que passam tão perto
    Tão cheios
    Partindo do cais

    Só o teu amor é tão real
    Só o teu amor...

  • 5. Montras

    Letras

  • 6.
    Há Palavras Que Nos Beijam
    2:52
    Letras

    Há Palavras Que Nos Beijam

    (Alexandre O'Neil / Mário Pacheco)

    Há palavras que nos beijam
    Como se tivessem boca.
    Palavras de amor, de esperança,
    De imenso amor, de esperança louca.

    Palavras nuas que beijas
    Quando a noite perde o rosto;
    Palavras que se recusam
    Aos muros do teu desgosto.

    De repente coloridas
    Entre palavra sem cor,
    Esperadas, inesperada
    Como a poesia ou o amor.

    O nome de quem se ama
    Letra a letra revelado
    No mármore distraído
    No papel abandonado.

    Palavras que nos transportam
    Aonde a noite é mais forte,
    Ao silêncio dos amantes
    Abraçados contra a morte.

  • 6. Há Palavras Que Nos Beijam

    Letras

  • 7.
    Transparente
    2:31
    Letras

    Transparente

    (Paulo Abreu Lima / Rui Veloso)

    Como a água da nascente
    Minha mão é transparente
    Aos olhos da minha avó.

    Entre a terra e o divino
    Minha avó negra sabia
    Essas coisas do destino.

    Desagua o mar que vejo
    Nos rios desse desejo
    De quem nasceu para cantar.

    Um Zambéze feito Tejo
    De tão cantado q'invejo
    Lisboa, por lá morar.

    Vejam um cabelo entrançado
    E o canto morno do fado
    Num xaile de caracois.

    Como um conto de fadas
    Os batuques são guitarras
    E os coqueiros, girassóis.

    Minha avó negra sabia
    Ler as coisas do destino
    Na palma de cada olhar.

    Queira a vida ou que não queira
    Disse Deus à feiticeira
    Que nasci para cantar.

  • 7. Transparente

    Letras

  • 8.
    Fado Português De Nós
    2:23
    Letras

    Fado Português De Nós

    (Paulo de Carvalho)

    Nasceu de ser português
    Fez-se à vida pelo mundo
    Foi p'lo sonho vagabundo
    Foi pela terra abraçado
    Bem querido ou mal amado
    O fado

    Viveu de ser português
    Foi alegre e foi gingão
    Por ser um fado é canção
    Por ser futuro é passado
    Mal querido ou bem amado
    O fado

    Cada vez mais portugês
    Anda nas asas do vento
    Ás vezes solta um lamento
    E pede p'ra ser achado
    Ele é querido, ele é amado
    O fado

  • 8. Fado Português De Nós

    Letras

  • 9.
    Malmequer
    3:11
    Letras

    Malmequer

    [Aldina Duarte / popular (fado menor)]

    Mal me quer a solidão
    Bem me quer a tempestade
    Mal me quer a ilusão
    Bem me quer a liberdade

    Mal me quer a voz vazia
    Bem me quer o corpo quente
    Mal me quer a alma fria
    Bem me quer o sol nascente

    Mal me quer a casa escura
    Bem me quer o céu aberto
    Bem me quer o mar incerto
    Mal me quer a terra impura

    Mal me quer a solidão
    Entre o fogo e a madrugada
    Mal me quer ou bem me  
    Muito, pouco, tudo ou nada...

  • 9. Malmequer

    Letras

  • 10.
    Medo
    3:10
    Letras

    Medo

    (Reinaldo Ferreira / Alain Oulman)

    Quem dorme à noite comigo
    É meu segredo,
    Mas se insistirem, lhes digo,
    O medo mora comigo,
    Mas só o medo, mas só o medo.

    E cedo porque me embala
    Num vai-vem de solidão,
    É com silêncio que fala,
    Com voz de móvel que estala
    E nos perturba a razão.

    Gritar: quem pode salvar-me
    Do que está dentro de mim
    Gostava até de matar-me,
    Mas eu sei que ele há-de esperar-me
    Ao pé da ponte do fim.

  • 10. Medo

    Letras

  • 11.
    Toada Do Desengano
    3:35
    Letras

    Toada Do Desengano

    [Vasco Graça Moura / Franklin Godinho (fado Franklin de sextilhas)]

    Este amor, este meu fado,
    Tão vivida e magoada
    Entre o sim eo todavia,
    Este amor desgovernado,
    Marcado a fogo e calado
    Em funda melancolia

    Este amor dilacerado,
    Este amor que noite e dia
    Me arrebata e agonia,
    Este amor desenganado,
    De saudades macerado,
    A encher-me a vida vazia,

    Este amor alucinado,
    Este amor que desvaria
    Entre o luto e a alegria,
    Sendo assim desencontrado,
    Meu amor desesperado,
    Que outro amor eu cantaria?

  • 11. Toada Do Desengano

    Letras

  • 12.
    Fado Tordo
    2:13
    Letras

    Fado Tordo

    (Fernando Tordo)

    Por mais que eu queira ou não queira
    Salta-me a voz para a cantiga
    Por mais que eu faço ou não faça
    Quem manda é ela, por mais que eu diga

    Por mais que eu sofra ou não sofra
    Ela é quem diz por onde vou
    Por mais que eu peça ou não peça
    Não tenho mão na voz que sou.

    Mesmo que eu diga que não quero
    Ser escrava dela e deste fado
    Mesmo que eu fuja em desespero
    Ela aparece em qualquer lado

    Mesmo que vista algum disfarce
    Ela descobre-me a seguir
    Mesmo que eu chore ou não chore
    A voz que eu sou desata a rir.

    Por mais que eu quisesse ter
    Só um minuto de descanso
    Por muito que eu lhe prometesse
    Voltar a ela e ao seu canto

    Por muito que eu lhe fizesse juras
    A esta voz que não me deixa
    Perguntou sempre tresloucada:
    Eu já te dei razão de queixa?

    Por muito que eu apague a chama
    Ela renasce ainda maior
    Por muito que eu me afaste dela
    Fica mais perto e até melhor

    Por mais que eu queira entender
    A voz que tenho é tão teimosa
    Por mais que lhe tire a letra
    Faz por esquecer e canta em prosa.

  • 12. Fado Tordo

    Letras

  • 13.
    Duas Lágrimas De Orvalho
    2:36
    Letras

    Duas Lágrimas De Orvalho

    [DR / Pedro Rodrigues (fado Pedro Rodrigues)]

    Duas lágrimas de orvalho
    Caíram nas minhas mãos
    Quando te faguei o rosto
    Pobre de mim pouco valho
    P'ra te acudir na desgraça
    P'ra te valer no desgosto

    Porque choras não me dizes
    Não é preciso dizê-lo
    Não dizes eu adivinho
    Os amantes infelizes
    Deveriam ter coragem
    Para mudar de caminho

    P'lo amor damos a alma
    Damos corpo damos tudo
    Até cannsarmos na jornada
    Mas quando a vida se acalma
    O que era amor é Saudade
    E a vida já não é nada

    Se estás a tempo recua
    Amordaça o coração
    Mata o passado e sorri
    Mas se não estás, continua
    Disse-me isto minha mãe
    Ao ver-me chorar por ti

  • 13. Duas Lágrimas De Orvalho

    Letras

  • 14.
    Desejos Vãos
    3:31
    Letras

    Desejos Vãos

    (Florbela Espanca / Tiago Machado)

    Eu queria ser o mar do altivo porte
    Que ri e canta, a vastidão imensa!
    Eu queria ser a pedra que pensa,
    A pedra do caminho, rude e forte

    Eu queria ser o sol, a luz intensa,
    O bem do que é humilde e naõ tem sorte!
    Eu queria ser a árvore tosca e densa
    Que ri do mundo vão e até da morte!

    Mas o mar também chora de tristeza...
    As árvores também, como quem reza,
    Abrem, aos céus, os braços, como um crente!

    E o sol altivo e forte, ao fim de um dia,
    Tem lágrimas de sangue na agonia!
    E as pedras... essas... pisa-as toda a gente!...

  • 14. Desejos Vãos

    Letras